Alta temperatura e falta de chuva baixam nível das lagoas da cidade.

中文   Français   Deutsch   Italiano   日本   English   Россию   Español

12 março 2013

Alexandre Lyrio e Thais Borges
mais@redebahia.com.br

Nas horas vagas, o taxista Carlos de Jesus, 38 anos, dá uma de pescador. Sai de Narandiba e, em vez de seguir até a praia, prefere parar na avenida Paralela mesmo. Pois é. Tem peixe na via mais movimentada da cidade. Ou pelo menos tinha. “Desse jeito aí ta difícil pegar minhas tilápias”, lamenta Carlos. É que, com a falta de chuva, a lagoa localizada na altura do Posto 1 está praticamente seca. Ela e quase todas as lagoas de Salvador.

Na Paralela, lagoa do canteiro central dá sinais de que, 
se não chover logo, ela vai secar completamente.

No sábado, o CORREIO mostrou que a mais ilustre lagoa da capital, a do Abaeté, sofre com a seca e expõe muito mais de sua areia branca do que da água escura. O nível era de 17,24 metros. O patamar mais baixo marcado anteriormente foi de 17 metros, em 2009. Fora dos períodos de pouca chuva, o Abaeté chega a ter profundidade variando entre 50 m e 70 m.

O coordenador de monitoramento do  Instituto Nacional do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Eduardo Topázio, explica o que causa a baixa das lagoas da cidade: “Nessa época, com pouca chuva, muita evaporação e muito calor, tende a diminuir. Além disso, tem o fato de que as dunas não estão íntegras como no passado, já que foram degradadas pela ocupação”.

Na Paralela, onde Carlos ia pescar, a lagoa praticamente já não existe. As marcas nos pilares da passarela mostram que as águas chegam a ter profundidade. “Algumas pessoas chegam a se jogar lá de cima”, entrega o pescador taxista, conhecedor da área. Na Pituba, outra lagoa pede socorro. Quer dizer, a lagoa, 22 gansos, 16 patos, tartarugas e até um jacaré. Com excesso de algas e, segundo moradores, com o nível mais baixo dos últimos anos, a chamada Lagoa dos Patos é um pequeno ecossistema que sobrevive entre prédios residenciais. 

“Normalmente, o nível dela baixa a partir de fevereiro. Desta vez, começou a baixar no primeiro semestre do ano passado”, conta Heliana Frazão, moradora da região que alimenta as aves da lagoa.

Peixes e tartarugas estão morrendo. Sem os peixes, o jacaré fica sem comida e também sofre. Isso pode ser resultado da alta concentração de nutrientes, segundo o professor do Instituto de Biologia da Ufba Eduardo Mendes, coordenador do Programa de Monitoramento, Avaliação e Reabilitação de Ecossistemas Naturais e Artificiais do Estado da Bahia (Marenba).

“Se você pegar essa água e colocar numa bacia, vai ver que quando ela estiver quase acabando, vai estar meio esbranquiçada, graças aos sais que tem”. Com a mudança, é possível até induzir doenças que afetem os animais.

Lagoa próxima ao Trobogy, na Paralela, também está com nível baixo.

Pituaçu

Até mesmo a grande lagoa do Parque Metropolitano de Pituaçu, alimentada pelas águas do Rio Pituaçu, está baixando além do normal. “Já baixou mais de dois metros. Esse ano tá demais”, disse Daniel Mendes, que trabalha na segurança há 17 anos. Na lagoa, há tucunarés, tainhas, camarões e até jacarés.

O Inema também é responsável pelo monitoramento da Lagoa de Pituaçu. Segundo o coordenador Eduardo Topázio, ali ainda pode ser encontrada água com alguma qualidade. “Como tem mais água atualmente, tem melhor qualidade. Pituaçu tem uma barragem. Temos um rio e podemos controlar a água que entra e é liberada”, explica. Topázio diz que há despejo de esgoto na lagoa, mas garante que existe tratamento. “A Embasa capta e faz uma limpeza. Há um tratamento do esgoto antes de entrar na barragem”, disse Topázio. Assim, Pituaçu é quase uma exceção. “A maioria das lagoas tem águas de má qualidade, porque a água se renova mais lentamente”, emenda o coordenador do Inema.  

Stiep

Próximo ao Centro de Convenções, no Stiep, a Lagoa dos Frades baixa de forma acelerada. “Alguns peixes estão morrendo. E aí tem pato e ganso também”, afirma o Marcelo Souza Palmeira, que cuida do espaço com ajuda dos moradores da região. 

Segundo o professor da Ufba Eduardo Mendes, essa lagoa faz parte de um ambiente que originalmente tinha dunas e vasta vegetação. “Tem hotel em cima da lagoa, edifício... Isso influencia”. O coordenador do Inema também destaca que, em áreas como a Pituba e o Stiep, as lagoas dependem principalmente da chuva. “São áreas urbanizadas, tem que chuver pra água chegar. Às vezes, esgotos clandestinos acabam alimentando também”.  

De acordo com o subsecretário municipal da Cidade Sustentável, André Fraga, as lagoas dos Frades e dos Patos estão sob os cuidados da prefeitura. “Fazemos manutenção, em conjunto com a Superintendência de Conservação e Obras Públicas do Salvador (Sucop ) e a Limpurb”.  

Fraga reconhece, entretanto, que a pasta não conta com a estrutura necessária para o monitoramento ambiental. “Estamos desenvolvendo um projeto não apenas para as lagoas, como também para os rios da cidade”, disse, sem dar detalhes.

Quem mora próximo de alguma lagoa e identificar algum problema, pode contatar a secretaria através do número 71 3186-1546.

Previsão é de chuva abaixo da média pelo menos até maio

Se depender da chuva, o nível das lagoas vai continuar baixo por mais algum tempo. Existe uma probabilidade de 40% que as chuvas na Bahia não ultrapassem os índices de precipitação considerados normais para o período de março a maio, com chances de ficarem abaixo da média histórica na maior parte do estado. No Recôncavo, a média vai de 173,6 a 807,6 mm. A previsão de chuvas abaixo da média para o trimestre serve para todo o Nordeste, de acordo com o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema). Esses são os meses mais chuvosos na região, com índices de até 600 mm.

Na Bahia, o índice costuma oscilar entre 100 e 300 mm. Já segundo as previsões do Instituto Climatempo, o tempo seco deve predominar nos próximos dias. Até o dia 16, não há previsão de chuva em Salvador e Recôncavo. Mas quem mora em outras áreas do estado pode alimentar alguma esperança.

É possível que pancadas de chuva se tornem mais frequentes no Centro-Oeste e no Extremo Sul. Ainda assim, segundo o Climatempo, os volumes previstos não devem ser suficientes para diminuir a estiagem que castiga mais de 200 municípios da Bahia. O calor também não tem dado trégua:  há uma semana, Salvador teve sua mais alta temperatura deste Verão: 34,6° C.

Compartilhe:

Receba as notícias por e-mail!

Siga o Sou Eco nas redes sociais!

»Não deixe de ler:

Franklin Oliveira

Técnico em Meio Ambiente, Gestor Ambiental, Consultor Ambiental Autônomo, Auditor Interno de Sistema de Gestão Integrado nas normas ISO 9001:2008, ISO 14001:2004 e OHSAS 18001:2007, atua na elaboração, implementação e acompanhamento de projetos e programas ambientais voltados à sustentabilidade, educação ambiental, impactos ambientais, gestão de riscos ambientais e gerenciamento de resíduos sólidos.

E-mail Canal no You Tube

Sou Ecológico - Muito Mais Eco
▲