Morte de peixes é mistério na Ilha de Itaparica.

中文   Français   Deutsch   Italiano   日本   English   Россию   Español

06 fevereiro 2014

Lúcio Távora | Ag. A TARDE 
Animais foram encontrados mortos nas areias da praia.

Qui , 06/02/2014 às 06:58 | Atualizado em: 06/02/2014 às 09:50.

Peixes de variados tamanhos e espécies têm aparecido mortos, nos últimos dez dias, no litoral da praia de Aratuba, na Ilha de Itaparica (Grande Salvador). Aproveitando a facilidade do pescado fácil, moradores da localidade têm usado os animais para vendê-los e, até mesmo, se alimentar.

"Oxe, eu vou é comer!", respondeu logo o garoto Marcone, de apenas 8 anos, após pegar com as mãos um "barbeiro azul", na tarde de quarta-feira, 5. A brincadeira comum para as crianças virou motivo de preocupação para os pescadores locais, que estão intrigados com a procedência dos peixes.

Barbeiros, badejos, ciobas, vermelhos-dentões, cambubas, rubalos, garoupas, frades, galos, porcos e pampos são apenas algumas das espécies contabilizadas pelo presidente da Associação de Pescadores de Aratuba, Antônio de Brito, 54 anos, conhecido como Cotia.

Durante uma caminhada em um trecho de cerca de dois quilômetros na costa de Aratuba, a equipe de reportagem contabilizou, espalhados pela areia da praia e dentro do mar, pelo menos, 50 peixes, entre mortos e ofegantes. Mas o número é bem maior, conforme o pescador.

"As pessoas acordam cedo para catar na praia. Eu tenho dito para não comer nem vender esses peixes", aconselhou o pescador nativo de Aratuba, antes de completar: "Minha preocupação toda é que a gente não sabe o que têm provocado a morte desses peixes".

Conforme avaliou o pescador, a maioria das espécies afetadas pelo fenômeno, até então, desconhecido, é formada por peixes comuns em alto-mar, nas águas mais profundas. "O que me estranha é que são peixes de pedra, que habitam tocas. Não são do litoral", afirma.

Cheiro forte de carne apodrecida

A aparição dos peixes mortos têm chamado a atenção dos urubus que, atraídos pelo cheiro forte de carne apodrecida, devoraram um badejo de cerca de 20 kg, deixando apenas a carcaça do animal moribundo jazendo na praia.

"Nem todos aparecem mortos. Algo está acontecendo com os peixes, que está impendido eles de nadar, de ficar debaixo d'água. Por isso, eles boiam", observou o pescador Renato Ferreira, 27 anos, cujo pai pegou um pampo com cerca de oito quilos. "São peixes nobres", acrescentou.

A resposta para o mistério que envolve a mortandade dos animais pode estar ali mesmo, na praia, em um local conhecido como Ponta de Aratuba, onde Cotia encontrou uma espessa crosta de um material de coloração esverdeada, inodora, sobre a água e encrustada na laje de pedra.

"Nesse tempo todo que eu moro e pesco por aqui, nunca vi essa mancha estranha na água", garante o presidente da associação, que aproveitou para coletar uma amostra do material com uma pequena garrafa de água mineral.

*Colaborou Jair Mendonça Jr.


CONTINUE ACOMPANHANDO A NOTÍCIA

Qui , 06/02/2014 às 08:40 | Atualizado em: 06/02/2014 às 11:08

Qui , 06/02/2014 às 20:59 | Atualizado em: 06/02/2014 às 20:59

Compartilhe:

Receba as notícias por e-mail!

Siga o Sou Eco nas redes sociais!

»Não deixe de ler:

Franklin Oliveira

Técnico em Meio Ambiente, Gestor Ambiental, Consultor Ambiental Autônomo, Auditor Interno de Sistema de Gestão Integrado nas normas ISO 9001:2008, ISO 14001:2004 e OHSAS 18001:2007, atua na elaboração, implementação e acompanhamento de projetos e programas ambientais voltados à sustentabilidade, educação ambiental, impactos ambientais, gestão de riscos ambientais e gerenciamento de resíduos sólidos.

E-mail Canal no You Tube

Sou Ecológico - Muito Mais Eco
▲